THE SANDBOX: O GUIA COMPLETO PARA INICIANTES

1

Um dos jogos play to earn que mais vem chamando a atenção e que promete ter um destaque cada vez maior é o The Sandbox. Você já ouviu falar nele? Se você estiver inteirado no universo dos jogos play to earn, muito provavelmente sim. The Sandbox é um jogo no qual você cria um jogo. O usuário é criador e jogador ao mesmo tempo.

Neste artigo, vamos apresentar esse jogo para você, te mostrando como produzir conteúdo e ganhar dinheiro com The Sandbox. Explicaremos como funciona a aquisição de terras, como criar personagens e objetos para vendê-los no mercado do jogo e também como produzir seus próprios games que entrarão para o mundo virtual de The Sandbox no metaverso. Acompanhe!

O que é The Sandbox

The Sandbox é um grande mundo virtual no metaverso em que você pode criar as suas próprias terras, seus ativos e jogos. Para algumas pessoas, The Sandbox lembra um pouco Minecraft, especialmente por ter um gráfico baseado em Voxel Art. Esse é um estilo de construção de objetos 3D a partir de blocos, gerando uma aparência parecida com as de esculturas de Lego. Os objetos ficam quadriculados, sem curvas.

Diferente do Minecraft, o mundo que você cria em The Sandbox pertence a você. O usuário é 100% dono de tudo que ele cria ou produz no jogo, com todos os direitos legais garantidos pelas transações do blockchain. Em jogos como Minecraft, o mundo que você cria fica no servidor dos desenvolvedores e pode ser apagado a qualquer momento, em jogos que funcionam no blockchain, isso não acontece.

Se você ainda não sabe o significado de termos do universo play to earn como “blockchain”, leia também o nosso artigo que explica esses conceitos: Play to earn: o que é, como funciona e os principais jogos.

Como ganhar dinheiro com The Sandbox

Há quatro tipos de tokens que você pode ter em The Sandbox:

  1. SAND: é a moeda nativa do jogo, que te permite comprar ativos, gastar em jogos e participar do sistema de governança de The Sandbox.
  2. LANDs: são as terras do mundo virtual de The Sandbox. Também permitem participar do sistema de governança do jogo.
  3. ASSETs: são personagens e objetos criados para serem usados nos games.
  4. GAMEs: são jogos criados pelos próprios usuários para serem hospedados em suas LANDs.

Como criador, é possível ganhar dinheiro monetizando games ou vendendo ASSETs. Quando um usuário submete um ASSET ao mercado do jogo, ele se tornar um NFT que pertence a ele, podendo ser vendido para outro jogador. Não é necessário ter terras no jogo para vender ASSETs. Como investidor, dá para lucrar revendendo LANDs. Por fim, como jogador apenas, é possível ganhar SANDs como recompensas por conquistas em games.

Mas é importante dizer que The Sandbox é um jogo que ainda está em construção, tanto pelos desenvolvedores quando pelos usuários que também estão criando conteúdo. Portanto, algumas dessas funcionalidades ainda não estão disponíveis.

Ainda não dá para outros usuários pagarem para jogar os seus games, nem para ganhar SANDs por conquistas em jogos, por exemplo. Mas veja as oportunidades que esse jogo traz como um investimento, porque as projeções de ganho futuros são muito grandes. Daqui a um tempo, vai ser possível até mesmo alugar outdoors nas suas terras para marcas fazerem propaganda no mundo virtual de The Sandbox no metaverso!

The Sandbox possui três ferramentas para os produtores de conteúdo:

  1. VoxEdit: serve para construir ASSETs usando Voxel Art. Se você souber usar bem essa ferramenta, é possível criar ativos para vender no mercado de The Sandbox.
  2. Game Maker: te permite criar o seu próprio jogo. Se você dominar essa ferramenta, pode cobrar para que outros usuários tenham acesso aos seus jogos.
  3. Marketplace: é onde você pode vender os seus ASSETs para outros usuários.

Como ter suas próprias terras (LANDs)

O mundo virtual de The Sandbox.

Na página oficial de The Sandbox, na aba “Map”, você pode ver um grande mapa que representa todo o mundo virtual do jogo no metaverso. Nele, é possível identificar os principais desenvolvedores de conteúdo que estão no jogo e quais são as terras deles. Algumas delas possuem jogos e outras são ambientes interativos que você pode explorar. Aproximando o mapa, você vai ver que ele é dividido em quadradinhos.

Cada quadradinho corresponde a um pedaço de terra, chamado de LAND. Você pode ter uma única LAND ou pode ter várias LANDs uma do lado da outra, formando um território maior, chamado ESTATE. Há 4 tipos de ESTATE, cada um formado por uma quantidade de LANDs de comprimento e de largura:

  1. Pequeno: 3 LANDs por 3 LANDs (9 LANDs).
  2. Médio: 6 LANDs por 6 LANDs (36 LANDs).
  3. Grande: 12 LANDs por 12 LANDs (144 LANDs).
  4. Extra grande: 24 LANDs por 24 LANDs (576 LANDs).

Cada LAND é um NFT. Existem 166.464 LANDs no mundo virtual de The Sandbox no metaverso, e cada uma tem 96 metros de comprimento por 96 metros de largura, nas dimensões do jogo. Existem dois tipos de LANDs, as regulares e as Premium. As Premium LANDs são mais valorizadas porque ficam mais próximas das terras dos maiores parceiros do jogo (como o Atari, por exemplo), o que faz com o tráfego de usuários em seu entorno seja maior.

Além do Atari, o jogo tem outros parceiros importantes, como Smurfs, RollerCoaster Tycoon e The Walking Dead, que estão construindo jogos dentro da plataforma. The Sandbox também tem uma parceria com o rapper Snoop Dogg, que vai ter uma mansão no mundo virtual do jogo no metaverso.

As LANDs só são vendidas pelos desenvolvedores em eventos específicos e por tempo limitado. Portanto, na maioria das vezes, só é possível comprar LANDs de outros usuários. Só dá para fazer isso em mercados secundários, como o do OpenSea. No futuro, vai ser possível alugar LANDs. Mas ainda não foi informado a partir de quando essa opção estará disponível.

Se você ainda não sabe o que é o metaverso, no qual mundos virtuais como o de The Sandbox se encontram, leia também o nosso artigo sobre esse assunto: Metaverso: entenda de uma vez por todas.

VoxEdit

O VoxEdit é a ferramenta para criar objetos e personagens que você pode vender no Marketplace ou usar nas suas terras ou nos seus jogos. Para usar o VoxEdit, você deve ir à página oficial de The Sandbox, clicar na aba “Create” e fazer o download do programa. É preciso ter um sistema operacional de 64 bits.

Depois de instalar e executar o VoxEdit, você vai ver a aba “News”, que mostra as últimas notícias e traz alguns links. Um deles é para um tutorial de uso do programa, chamado Guidelines for Artists. A seguir, vamos falar sobre as outras abas do programa.

Aba “Modeler”

Tela de criação de um ASSET no VoxEdit.

Na aba “Modeler”, você pode criar um ASSET, que é um personagem ou objeto para usar em The Sandbox. Você também pode abrir um ASSET que já existe para editá-lo. É possível abrir um arquivo MagicaVoxel (.vox) e convertê-lo para o formato do VoxEdit (.vxm).

Ao criar um ASSET, você vai ver uma área de trabalho 3D composta por três eixos. Os planos criados por eles formam um cubo. Essa é a representação de um espaço vazio em 3D. Os planos são divididos em pequenos quadradinhos. Cada plano é dividido por uma grade de 32 colunas por 32 linhas de quadradinhos.

No universo de The Sandbox, 32 desses quadradinhos correspondem a 1 metro, portanto, cada plano tem 1m2, e o espaço total disponível é de 1m3 nas dimensões de The Sandbox. No entanto, você pode alterar o tamanho dessa área nas opções do menu superior. Cada quadradinho representa um lugar no espaço no qual você pode inserir um voxel para construir o seu ASSET.

Voxels são pequenos cubos, como se fossem blocos de tijolos. O seu personagem vai ser construído como uma escultura feita por esses blocos unidos uns com os outros. É como brincar de Lego. Talvez pareça complicado se você nunca tiver tentado construir um objeto virtual em Voxel Art. Mas assim que você colocar o primeiro voxel, logo vai ver que é muito simples e intuitivo. Em poucos segundos, você já vai entender como funciona e pegar o jeito da coisa.

Você começa a inserir os voxels a partir de qualquer um dos planos. Basta clicar em um dos quadradinhos. A partir daí, você pode inserir novos voxels “colados” uns nos outros. Basta selecionar um dos lados de um voxel que você já colocou. Esse lado vai ficar destacado em branco. Então você clica para inserir um novo voxel “grudado” nele.

Você pode inserir um voxel em cima do outro, ou um do lado do outro. Se preferir, você pode inserir vários voxels em sequência, mantendo o clique e arrastando para o lado que você desejar para continuar inserindo os voxels.

Aba “Animation”

A aba “Animation” disponibiliza vários modelos de animação.

A aba seguinte do VoxEdit é a “Animation”. Nela, há uma lista de templates com modelos de animação disponíveis para uso, como, por exemplo, Humano Pequeno, Mamífero Grande, Réptil Bípede Médio, etc. Essas animações são feitas especificamente para funcionar no Game Maker de The Sandbox. Ao escolher um deles, uma animação 3D aparece na tela para ser editada.

Essas animações são do tipo rigging, que é quando o objeto animado tem um “esqueleto”, ou seja, um conjunto de articulações entre os voxels que definem quais partes do ASSET podem se mexer e de que modo, como os braços e as pernas do personagem, por exemplo.

No entanto, não é possível mudar nem a animação pré-definida, nem o esqueleto ao editar os modelos disponibilizados pelo programa. Dá para mexer apenas na aparência do personagem. Mas ainda assim é possível ver como o esqueleto é estruturado a partir do painel Skeleton, à esquerda da tela. Inclusive, também é possível visualizar o esqueleto junto com a imagem.

Na parte direita da tela, fica o painel Library. Com ele, você pode editar os voxels da animação, mexendo na aparência do personagem. Você pode, inclusive, importar modelos criados na aba “Modeler”. Se você quiser mudar a cabeça do personagem, por exemplo, você pode selecionar a aparência nova no Library e arrastar para o node que representa a cabeça no painel Skeleton. Automaticamente, será feita a substituição.

O painel Timeline, na parte inferior, mostra a animação, para que você veja como ela ficou depois das modificações.

Se uma mudança maior na geometria do personagem for realizada, como aumentar o tamanho dos braços dele, por exemplo, pode ser necessário ajustar o “ponto pivô” da parte alterada. Isso significaria afastar uma articulação para a parte aumentada caber no esqueleto.

Começando uma animação do zero

Se você já tem experiência com animação, pode pular essa parte de usar os modelos disponibilizados pelo programa e começar a fazer a sua própria animação do zero. Para isso, primeiro você precisa ter os modelos, que podem ser criados na aba “Modeler” ou no próprio painel Library. Cada parte do esqueleto deve ser um modelo diferente: um para o braço, um para a cabeça, etc.

Você pode criar a estrutura do esqueleto no painel Skeleton. Primeiro é necessário criar os nodes. Cada node representa uma parte do corpo do personagem. Os nodes podem ter children nodes. Isso quer dizer que existem partes que são subordinadas às outras. Por exemplo: os braços são children nodes do tronco, e as mãos são children nodes dos braços.

Para associar um modelo a um node, basta arrastá-lo e soltá-lo no painel Skeleton, em cima do node desejado. Cada parte adicionada vai aparecendo na área de trabalho. Depois de colocar todas, você pode mover cada uma delas para criar a forma correta do personagem.

A partir daí, as animações podem começar a ser produzidas a partir dos movimentos possíveis dessas partes umas em relação às outras, como quando brincamos com um boneco de ação. Para isso, é usado o painel Timeline. Você preenche os frames um a um com os movimentos desejados, sendo que a taxa de reprodução é de 24 frames por segundo.

Aba “Block”

Solo sendo editado na aba “Block”.

A aba “Block” serve para editar o solo dos jogos para o Game Maker. Diferente da aba “Modeler”, aqui o objeto que você está editando é sempre um cubo. Ele vem com 1m3, ou seja, cada lado vem dividido por uma grade de 32 colunas por 32 linhas de quadradinhos. Você não pode mudar essa forma, mas pode mudar a resolução, deixando o cubo com 16 colunas por 16 linhas de quadradinhos, por exemplo. Isso é ideal para designs mais simples.

O único objetivo dessa ferramenta é mexer na cor dos voxels das superfícies desse cubo para decorá-lo como você quiser.

Marketplace

O Marketplace, no site oficial de The Sandbox.

O Marketplace é onde os ASSETs são vendidos. Mas para começar a vender seus produtos, você primeiro precisa de uma aprovação da equipe do jogo, que é quem te valida como criador. Isso é feito para garantir que apenas ASSETs de qualidade sejam vendidos na plataforma.

Para conseguir essa aprovação, você precisa se juntar ao “Creator Fund”, um fundo de US$ 2 milhões para remunerar artistas produtores de conteúdo para a plataforma. Se o usuário for aprovado, ele recebe até US$ 60,00 por cada ASSET que fizer. Depois disso, ele ganha 100% do lucro das vendas do item no Marketplace. Os ASSETs que são aceitos no Marketplace se tornam NFTs de propriedade do criador.

Para ser avaliado, você precisa submeter pelo menos 4 Voxel Arts suas. O problema é que esse é um clube bem exclusivo. Apenas 1.000 criadores no total serão aceitos nesse fundo, portanto é preciso concorrer às vagas que ainda estão em aberto. Porém, algumas pessoas negociam as vendas por sites externos, como o OpenSea. Nesse caso, o criador envia para o comprador o arquivo .vxm com o ASSET que ele criou salvo.

Muitos jogadores se interessam pela oportunidade de vender seus ASSETs e ganhar dinheiro com The Sandbox. Essa oportunidade atrai especialmente artistas que já dominam a técnica da Voxel Art. Outros jogadores, no entanto, fazem seus ASSETs apenas para usar nos seus próprios jogos.

Só que muitos jogadores não tem a habilidade de criar personagens e objetos para colocar nas suas terras. Esse pode ser até mesmo o caso de quem quer criar um game em The Sandbox, usando o Game Maker, mas não tem e não sabe fazer os personagens e objetos necessários. Nesses casos, o jogador pode conseguir tudo o que precisa no Marketplace.

Game Maker

Game maker

Para usar o Game Maker, você também precisa baixar o programa na página oficial de The Sandbox, na aba “Create”. O mais legal de fazer jogos para The Sandbox é que não é necessário nenhum conhecimento de programação ou de códigos.

Se você não tem nenhuma experiência no desenvolvimento de jogos ou não quer começar tudo do zero, The Sandbox disponibiliza alguns templates, que são estruturas pré-produzidas de jogos. Além dos ASSETs que já vêm automaticamente no mapa, também há um conjunto de outros personagens e objetos básicos que ficam disponíveis.

O Game Maker tem três abas. “MyGames” é a parte em que você edita os seus jogos. “Templates” é onde você encontra modelos que você pode usar de base para criar um jogo, com opções como “Ilha da Aventura”, “Floresta Escura” e “Margens do Lago”. Já a aba “Gallery” é onde você pode ver jogos criados por outros usuários como exemplo.

Criando um novo game

Mapa de um jogo visto de longe.

Na aba “MyGames” você escolhe o tamanho do jogo que quer criar. Se você só tem uma LAND, o jogo irá ocupá-la por inteiro. Mas, se você tiver várias LANDs juntas, você pode fazer o seu jogo ocupar quantas delas você quiser, desde que o formato do conjunto seja um retângulo, e até o limite de 4 LANDs de comprimento por 4 LANDs de largura. Cada LAND já proporciona um bom espaço para desenvolver um jogo.

Você também escolhe se vai usar algum template disponibilizado pelo programa ou se vai começar a construir o jogo do zero. A tela abre no meio da superfície das suas terras e, afastando o zoom, você pode visualizar todo o mapa do jogo que está sendo construído em cima delas. Se você estiver começando do zero, vai ver apenas terras vazias. Ao diminuir ainda mais o zoom, suas terras aparecem como se estivessem flutuando ao serem arrancadas do chão. A sensação que essa imagem causa é a de ver uma ilha no céu.

Editando o game

Tela de edição do Game Maker.

Mesmo que você tenha começado do zero, você tem à disposição ASSETs referentes a personagens, construções, objetos, etc. para ir montando o jogo. Você pode selecionar os ASSETs e posicioná-los onde quiser. O terreno é dividido em pequenos quadradinhos que representam possíveis posições para cada ASSET.

Você pode controlar os atributos de cada um dos personagens adicionados e escolher o papel deles no jogo, definindo se serão aliados ou inimigos, por exemplo. Também dá para definir a distância que eles podem andar, se eles podem interagir com algum objeto, se eles falam alguma coisa quando o jogador se aproxima, entre outras coisas.

Ao interagir com um ASSET, ele pode te fazer uma pergunta e te dar diferentes opções de resposta. Dependendo da resposta escolhida, diferentes coisas podem acontecer, como abrir a porta da esquerda ou a da direita, por exemplo. Também é possível configurar tudo isso nas opções de cada ASSET.

Depois de cada alteração que você faz no jogo, você pode testá-la, dando play para ver como ficou. Você pode dar play no jogo desde o início da produção dele, mesmo que ainda esteja tudo vazio. À medida em que você adiciona elementos, o seu personagem vai podendo interagir com eles.

Na opção “Rules”, na barra superior, você define quais são as regras do seu jogo, estabelecendo quais são os objetivos. Pode ser encontrar determinado item ou matar todos os inimigos, por exemplo. Nessa opção, você também define o nome do jogo e cria uma descrição contando qual é a história dele.

Você define o tipo de interação

O Game Maker serve para organizar suas terras da maneira como você quiser. Se sua intenção é fazer uma cidade onde as pessoas possam interagir umas com as outras em diferentes ambientes, tudo bem. Afinal, essa pode ser a dinâmica do seu “jogo”. Se você quiser que suas terras sejam feitas de modo que as outras pessoas possam circular por elas e simplesmente apreciar as suas paisagens, tudo bem também.

Depois de adicionar o jogo às suas terras, você pode cobrar uma taxa para que as outras pessoas tenham acesso a ele ou a alguma funcionalidade ou opção dentro dele.

E se eu não quiser criar ASSETs e games?

Você pode explorar as terras dos outros usuários e jogar os games deles.

Muitas pessoas querem apenas jogar, sem terem que criar conteúdo. Se esse for o seu caso, The Sandbox também é um ótimo jogo para você! The Sandbox conta com inúmeros jogos diferentes criados pelos usuários para você experimentar, cada um com suas próprias características. Para jogá-los, você não precisa ter LANDs.

Para acessar alguns dos jogos, no entanto, você pode precisar pagar uma pequena quantia em SANDs. Mas se você pode fazer isso e gosta de passar seu tempo jogando games no estilo Voxel Art, então vale a pena! Até porque, os usuários que consomem o conteúdo feito pelos criadores são necessários para que essa plataforma funcione.

Por enquanto, para jogar os games já desenvolvidos pelos usuários, você deve acessá-los pela aba “Gallery” do Game Maker. Futuramente, haverá a possibilidade de viajar livremente pelo mundo virtual de The Sandbox no metaverso. Até lá, aproveite, pois todos os jogos disponíveis até o momento estão com acesso gratuito.

Mas, olha só, tem um notícia muito boa para você também! Em breve, vai ser possível ganhar dinheiro em The Sandbox sem ter que criar nenhum conteúdo. Você vai poder ser recompensado com SANDs apenas por conseguir vitórias enquanto joga. Ainda não foi dito especificamente como e quando isso vai funcionar, apenas que quem vai definir se cada jogo vai ser P2E ou não é o próprio criador. Mas fique de olho para saber mais!

Pronto para entrar no metaverso através de The Sandbox?

As ferramentas de The Sandbox, incluindo o VoxEdit e o Game Maker, apesar de fáceis de usar, têm inúmeras opções e funcionalidades. Neste artigo, quisemos apresentar para você o básico delas, para que você consiga começar a usá-las.

E sabe o que é mais legal? Tudo isso está apenas no início! O mundo virtual de The Sandbox no metaverso só está começando a ser construído pelos desenvolvedores, parceiros e usuários criadores de conteúdo.

Se você quiser saber mais dicas, recomendamos duas fontes muito ricas. A primeira é o canal oficial de The Sandbox no YouTube. Apesar de os áudios serem em inglês, é possível acionar a legenda traduzida nas opções de reprodução. A segunda é o site de ajuda do jogo, que tem as respostas para as principais dúvidas. Ele também está em inglês, mas você pode traduzir para o português se estiver usando o Google Chrome.

Esperamos que as explicações tenham sido claras e que você tenha podido entender todos os pontos deste guia. No entanto, se você tiver ficado com alguma dúvida, entre no nosso Discord para conversar com a gente sobre esse jogo e fazer perguntas sobre o que você ainda não entendeu ou quer entender mais. Será um prazer conversar com você sobre isso!

Siga a gente também nas nossas outras redes sociais e continue ligado no site da P2E CREW para acompanhar mais novidades sobre The Sandbox e outros jogos do metaverso que permitem que você ganhe dinheiro enquanto joga!

Deixe um comentário